Imagens

terça-feira, 23 de agosto de 2011

O CAMINHO DE QUATRO RAPAZES por BENEDITO CARLOS (poeta e historiador)

Vou aqui parodiar um verso drummondiano: uma rua começa em Paraisópolis e vai terminar em Liverpool. Não quero dizer que com isto o executivo municipal em sua onda de repavimentação da cidade se propôs a construir tal via. Essa janela aberta é mantida pela batuta de quatro jovens da cidade: Mateus Cursino, Tomás Almeida, Fernando Apple e Igor Rock, que constituem a banda Pedro Bala e os Holofotes. Em seu segundo EP – Viagem Acidental – a banda diz: “Queria cantar como os Beatles” e, sem dúvida, esses rapazes conseguem uma linguagem musical que não deixa nada a desejar para bandas como Nirvana, Oasis, Coldplay, Moby, que bebem e beberam da fonte inesgotável do fenômeno de Liverpool.

Viagem Acidental – o segundo EP da banda – pode ser visto como a própria inspiração, ou seja, toda inspiração é uma viagem subjetiva moldando uma coisa empírica. E o artista nunca sabe onde irá chegar e quando irá trilhar esse caminho. Na faixa que dá nome ao EP os rapazes dizem: “Me espere o sol já se foi/ eu vou voltar pra te amar”. E quando cantam arrastam o ouvinte para o caminho da criação artística. Engendram uma harmonia para essa viagem que arrebata e, sem solavancos nem trepidações, permitem estar em La Paz. O sol se põe na música que cessa, mas há a garantia da volta: outra música que começa. A música é o Portão Vermelho. Eles dizem: “até o arbusto mais colorido dessa plantação/ Já me deixou ausente/ Perante a grande multidão”. Todas as tecnologias gerando explicações e comodidades não satisfazem a grande pergunta da vida: “ser ou não ser?”. E esta inquietação deixa-os solitários e “perdidos em frente ao Portão Vermelho”. O vermelho é a metáfora do embate interior e o portão que, com certeza, está fechado é a incerteza diante da vida.

Na faixa Seres Vivos eles cantam: “o sol brilhará e você não vai mofar”. Ferreira Gullar diz que “a vida é inventada”, ou seja, qualquer um ao tomar uma decisão abre o céu para a incidência de sol no caminho da escolha. O sol, fonte de vida e de possibilidade. E a possibilidade vem no verso: “vou colher seres vivos pra você”. É um convite ao ouvinte para que ele saia da frente do computador e venha para o espetáculo da vida, por exemplo, num show da banda em praça pública (como acontecerá no É Vento na Praça), trocando calor humano no contato físico. Cazuza, em uma de suas músicas, cantava: “canibais de nós mesmos/ antes que a terra nos coma”. Há um diálogo que estabelece entre essa geração e a dos anos oitenta, de forma sutil.

Esses rapazes começam a construir um caminho que começa em Paraisópolis e pode levá-los para qualquer parte do mundo.



terça-feira, 1 de março de 2011

NOVO EP "VIAGEM ACIDENTAL"

Levou um bom tempo pra ficar pronto, mas finalmente conseguimos lançar o nosso novo compacto, ainda no mês de fevereiro, como haviamos planejado anteriormente. E na minha modesta opinião, o resultado final ficou chuchu beleza bicho, tomate maravilha. Nosso segundo ep representa uma evolução tanto no processo de composição das músicas como no processo de gravação e produção do disco. As influências continuam as mesmas do primeiro EP. Mas, concerteza, esse trabalho está mais psicodélico e lisérgico do que o anterior, que foi lançado em 2010. Dessa vez, contamos com a participação especial de Alfredo Paiva, nos teclados. Ele deu o toque final nas canções, nos ajudando a preenche-las com sua aparelhagem de som "pesada" e orgânica. Enfim, o disco está aí, para ser apreciado por todos, gratuitamente. Além disso, provavelmente nesse ano de dois mil e onze, pinte algum single por aí, mostrando mais alguma faceta de nossa multiplas influencias. Então ouçam:

www.tramavirtual.com.br/pedrobalaeosholofotes

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

RESENHA DO EP PBH´S! POR JOTA GERALDO

Pedro Bala & os Holofotes é uma brasa!

Você já ouviu o primeiro EP do Pedro Bala & Os Holofotes? Ainda não? Está esperando o que, hein!? 

O compacto homônimo é diversão do começo ao fim! E o mais incrível: foi produzido, gravado e lançado por esta ótima banda de Paraisópolis e está disponível para audição e download gratuito no site da tramavirtual” 

            Contendo 4 canções, o EP também é distribuído fisicamente pelo selo alternativo e independente Overdrive Records que tem em seu cast bandas como Han(s)olo, Salad Star, Lepha & Os Ladrões de Playmobil, Tangerines, Tsop e Bala Mágica.
            “Tínhamos um leque de opções muito grande, mas entre todas as músicas já compostas pela banda, decidimos contrabalançar o set list do disco mesclando músicas mais agitadas com músicas mais calmas”, comentou no blog www.pedrobalaeosholofotes.blogspot.com o vocalista Mateus Cursino.

A canção de amor "Com Grilos na Cabeça" abre o EP gravado no estúdio caseiro da banda, o “Bolachão Home Studio”. Nesta linda canção, ouvem-se elementos musicais de Neil Young, Júpiter Maçã e Cachorro Grande, mas sempre com um toque alquímico muito peculiar do "Pedro Bala & Os Holofotes".

Depois da poética "Com Grilos na Cabeça" que se encerra com os contundentes versos “quem eu sou? o que vou fazer? sinto uma coisa em mim: é você”, é a vez da canção garageira, lisérgica e jovem-guardista “Você não é minha amiga” convidar todo mundo a esquecer-se dos problemas existenciais e das desilusões amorosas para dançar a noite inteira no maior astral! O refrão gruda feito chiclete na cabeça dando a esta faixa grande potencial radiofônico.

O clima de festa continua. “Jeitinho Cool” é uma canção perfeita para aqueles dias em que você acorda de bem com a vida, abre a janela do quarto e dá de cara com o céu lindamente azul, o sol radiante, o gramado super verde e pássaros mutantes assobiando Beatles e Rolling Stones. Então, a única coisa que pensa é encontrar sua garota e sair de mãos dadas por aí cantando “lalalalá”...

Delírios azuis” - balada indie psicodélica - fecha em grande estilo o primeiro EP do Pedro Bala & Os Holofotes. A canção com uma melodia envolvente, cheia de groove e com solos certeiros e econômicos dialoga com uma letra repleta de imagens e cores poéticas surreais. “Eu senti que tudo estava certo / eu perdi a noção do que era certo / eu quebrei minha guitarra preta / meus discos / rasguei a camiseta”.

Apesar das influencias, os PBH’s vão muito além da cópia de bandas consagradas e em nenhum momento se limitam a repeti-las. Assim, ao assimilar estéticas sonoras que vão desde os anos sessenta aos anos dois mil e misturá-las a suas vivências pessoais, o grupo alcançou uma sonoridade muito peculiar e original: rock com um pé no pop sem ser pop e um passo a frente de milhares de bandas que dizem ser rock nos dias atuais.

 Não é nenhum exagero afirmar que as batidas seguras de Fernando Maçã, o vocal afinado de Mateus Cursino e as guitarras dinâmicas e inventivas de Tomás Almeida fazem do Pedro Bala & Os Holofotes a grande promessa paraisopolense no cenário roqueiro nacional.

Mateus (vocal/baixo), Fernando (bateria/percussão) e Tomás (guitarras/teclado) já estão em estúdio gravando o segundo single que deverá sair no começo do próximo ano e deverá contar também com a participação de Igor no baixo e Alfredo Paiva no teclados.


Bicho! É uma brasa, mora?

domingo, 26 de setembro de 2010

Festitel Sta Rita do Sapucaí 25/09/2010




No último sábado, dia 25 de setembro, disputamos o primeiro "campeonato" de bandas da nossa "carreira". O nome do trem era "Festitel" e foi realizado em Sta. Rita do Sapucaí no DA da Universidade Inatel. Passamos pela pré-seleção e para a grande final foram classificadas 12 bandas, dentre as quais a psicodélica Pedro Bala. Fizemos nossa apresentação mais ou menos umas 10 e meia da noite. Somente no fim da noite, depois de todas as apresentações e da apresentação da banda K2, é que, afinal, saberíamos quem levantaria o caneco. Nesse momento, nós estávamos em "outra dimensão", por isso não recordaríamos ao certo qual o nome da grande banda vencedora. Mas, mesmo assim, conseguimos distinguir no alto-falante da festa o nosso nome anunciado dentre as 5 primeiras colocações. PEGAMOS O 4° LUGAR, YEAH!!!! Pelo antigo regulamento estaríamos classificados para a Libertadores do ano que vem, porém, nesse ano, o G4 se reduziu ao G3. Mas tá valendo! Fizemos uma boa apresentação, ganhamos alguns admiradores, levamos a 4° posição e desse modo fomos comemorar e terminar a noite na Rep. do Igor e do Leandro comendo pizza e fazendo um som acústico de altíssimo nível. Agora a banda vai tirar um tempinho para finalizar o 2° EP que já está em processo de gravação. ROCK!!!AGAIN!!!

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Clube Recreativo de Paraisópolis 17/09/2010

Pedro Balas e Márcio Matos (músico responsável pela parafernália sonora)
Rock
Strato
Som garagero
No dia 17/09/2010, a banda Pedro Bala e os Holofotes fez um rockzinho no Clube Recreativo de Paraisópolis num evento beneficente cujo objetivo era angariar fundos para a instituição APAE da cidade. Além da Pedro Bala, o evento contou com mais 4 atrações, dentre elas o músico Fala Fina e a banda The Dogs. Foi massa!!!!

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Vagabundos Iluminados!


Pedro Bala e os Holofotes subindo morros e montanhas!!! Até a Represa do Brejo Grande!!!!

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Lançamento digital do EP PBH pela Overdrive Records



Boas notícias!!! Estamos lançando digitalmente o nosso primeiro compacto, homônimo, pelo selo sul mineiro e independente "Overdrive Records", que tem em seu comando o nosso amigo Leandro Lepha, da banda experimental Han[s]olo. Totalmente gratuito!!!!!!É só acessar a página da Overdrive Records para baixar:

http://www.overdriverecords.blogspot.com/

Bandas como Bala Mágica, Salad Star e a própria Han[s]olo já tiveram seus trabalhos lançados pela Overdrive Records. Esperamos que a parceria com o selo do Lepha renda vários outros frutos, pois temos mais músicas à caminho.
Saudações a todos!